Participe deste Blog, Seja Membro

domingo, 21 de agosto de 2011

Preservando a identidade da Igreja

Título: A Missão Integral da Igreja — Porque o Reino de Deus está entre vós

Lição 9: Preservando a identidade da Igreja

Data: 28 de Agosto de 2011

LEITURA DIÁRIA

Segunda - Mt 16.18
Jesus edifica sua Igreja

Terça - At 20.28
A Igreja é universal

Quarta - At 15.4
A Igreja local

Quinta - Ef 2.20; 1 Co 3.11
Cristo: o fundamento da Igreja

Sexta - Ap 2.4,5a
O primeiro amor e as boas obras

Sábado - 2 Co 11.3
Não podemos perder a simplicidade

“Mas temo que, assim como a serpente enganou Eva com a sua astúcia, assim também sejam de alguma sorte corrompidos os vossos sentidos e se apartem da simplicidade que há em Cristo” (2 Co 11.3).

Só existe um meio de a Igreja de Cristo preservar a sua identidade como a agência por excelência do Reino de Deus: obedecer amorosa e incondicionalmente a Bíblia Sagrada.

O QUE É A IGREJA

1. Definição. No grego, o vocábulo igreja é ekklēsia. O termo, literalmente, refere-se à reunião de um povo, assembleia ou igreja local (Mt 18.17; At 15.4). A “igreja é um organismo místico composto por todos os que, pela fé, aceitaram o sacrifício vicário de Cristo”. Ao estabelecer a Igreja, Jesus tinha um propósito: levar os salvos a adorarem a Deus, proclamando-O, através do testemunho e da pregação do Evangelho.

2. As duas principais dimensões da Igreja. A Igreja não é uma mera organização, mas um organismo vivo. O Novo Testamento mostra que ela é divina e terrena. Vejamos:

a) Divina. O Mestre amado disse: “[...] edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela” (Mt 16.18). Jesus Cristo é a pedra, isto é, o único e o profundo alicerce da Igreja (1 Co 3.11). Portanto, a característica divina da Igreja está na pessoa de Jesus Cristo (Ef 2.20). Ele a fundou, edificou-a e conserva-a através do Espírito Santo para nossa consolação (Jo 14.16; 15.26).

b) Terrena. O Corpo de Cristo é composto por judeus e gentios. Antes do advento da Igreja, ambos os povos estavam separados. Todavia, mediante a cruz de Nosso Senhor, passaram a constituir uma só grei (Ef 2.14). Isto denota a diversidade étnica e cultural da Igreja, pois esta é formada por pessoas oriundas de todas as nacionalidades, culturas e etnias. É a assembleia universal dos santos.

3. Sua identidade. A Igreja, como instituição divina, tem o seu manual de regra e conduta: a Bíblia Sagrada ’ a Palavra de Deus. Portanto, tudo o que o Senhor quer daqueles que crêem em Jesus Cristo e fazem parte da sua Igreja é:

a) Um amor devotado ao Pai: “Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu pensamento” (Mt 22.37b).

b) Amar ao próximo: “Amarás o teu próximo como a ti mesmo” (Mt 22.39b).

A Igreja Primitiva procurava com reverência e zelo cumprir este ensino de Jesus: “E perseveravam na doutrina dos apóstolos, e na comunhão, e no partir do pão, e nas orações” (At 2.42). Os crentes, além de pregar o Evangelho de Jesus, acolhiam as pessoas com amor e compaixão. A Igreja de Cristo ama a Deus e ao próximo.

A PRESERVAÇÃO DA IDENTIDADE DA IGREJA

1. Na pregação e no ensino do evangelho. A Igreja do Senhor tem uma missão a cumprir neste mundo: anunciar a Palavra de Deus, viver de acordo com os mandamentos de Jesus Cristo e ensinar a toda a criatura a Palavra de Deus (Mt 28.19). Como Igreja, temos responsabilidade com a educação dos crentes e não-crentes. Jesus dedicou grande parte do seu ministério ao ensino. Ele pregava e ensinava a fim de que vidas fossem transformadas. Na Igreja Primitiva, os crentes “perseveravam na doutrina dos apóstolos”, mas também “na comunhão, e no partir do pão” (At 2.42-44).

2. No amor cristão. Jesus ensinou aos seus seguidores que o amor evidencia a comunhão com Ele e com o Pai: “Nisto todos conhecerão que sois meus discípulos, se vos amardes uns aos outros” (Jo 13.35). Somente através de Jesus Cristo o amor de Deus é derramado em nossos corações, levando-nos a cumprir o conselho do apóstolo João de amarmos uns aos outros (1 Jo 3.23).

3. Na defesa da fé. Cada crente deve preservar a doutrina de Cristo, lutando contra as várias distorções e heresias que surgem a cada dia (2 Jo vv.9,10; 1 Tm 6.3-5). A doutrina bíblica não pode ser modificada, substituída ou anulada por supostas revelações, visões e profecias (At 20.27-30; 1 Tm 6.20). Tudo tem de ser devidamente aferido pelas Sagradas Escrituras. Façamos a defesa dos fundamentos de nossa fé, sem arrogância ou dissimulação, mas sobretudo com amor, respeito e mansidão (1 Pe 3.15).

ALGUNS PERIGOS QUE AMEAÇAM A IGREJA

1. A perda e o esfriamento do amor. Muitos crentes, diante dos cuidados e seduções deste mundo, acabam perdendo o primeiro amor (Ap 2.4). De que adianta ir aos cultos, conhecer as doutrinas bíblicas e evangelizar, se o amor por Cristo e por sua obra já não é mais o mesmo do início de nossa fé? Nosso amor por Jesus deve ser puro, sincero e ardente (Mt 15.8). Voltemos imediatamente ao primeiro amor.

2. A perda do temor a Deus. Num mundo onde impera o relativismo moral e ético, corremos o perigo de perder o temor e a reverência ao Altíssimo. Temer a Deus é honrá-Lo como o Senhor de nossas vidas. Quando o homem perde o temor a Deus, acaba cometendo toda a sorte de iniquidades.

A violência que vitima a sociedade é o resultado da falta de temor a Deus. Tema ao Senhor, pois a Bíblia Sagrada promete que há recompensas para aqueles que honram e amam ao Pai: proteção da morte (Pv 14.26,27), provisão (Sl 34.9) e uma vida longa (Pv 10.27).

3. A perda da humildade. Jesus é o nosso exemplo perfeito de humildade (Jo 13.1-20; Fp 2.5-8). O Mestre não buscava a glória deste mundo. Se fosse preciso, ia para o deserto ou até para outra cidade, a fim de fugir da glória passageira deste século (Mc 1.45).

Muitos são os que permitiram o orgulho tomar conta de seus corações. Eles se esquecem de que tudo neste mundo é efêmero: riqueza, fama e poder. A mensagem e o estilo de vida de Jesus eram simples. Por conseguinte, quando o crente perde a simplicidade cristã torna-se orgulhoso e insuportável inclusive para o próprio Deus. Vigiemos para que jamais venhamos a perder a humildade, pois a “soberba do homem o abaterá, mas o humilde de espírito obterá honra” (Pv 29.23).

CONCLUSÃO

A Igreja de Cristo deve preservar o amor, a simplicidade e o temor a Deus a fim de que o mundo conheça a Cristo através do nosso testemunho. Conservemos a sã doutrina, pois o Inimigo tenta macular a Noiva de Cristo mediante as heresias, modismos e costumes mundanos. Sigamos o conselho de Paulo a Timóteo: “Tem cuidado de ti mesmo e da doutrina; persevera nestas coisas; porque, fazendo isto, te salvarás, tanto a ti mesmo como aos que te ouvem” (1 Tm 4.16).

BIBLIOGRAFIA SUGERIDA

MENZIES, W. W.; HORTON, S. M. Doutrinas Bíblicas: Os fundamentos da nossa fé. 1.ed., RJ: CPAD, 2005.
ZUCK, R. B. Teologia do Novo Testamento. 1.ed., RJ: CPAD, 2008.

EXERCÍCIOS

1. Defina o termo ekklēsia.
R. O termo refere-se à reunião de um povo, assembleia ou Igreja local.

2. Quais são as duas principais dimensões da Igreja?
R. Divina e Terrena.

3. Como a Igreja pode preservar a sua identidade?
R. A Igreja pode preservar a sua identidade anunciando a Palavra de Deus e vivendo-a, amando uns aos outros e defendendo os fundamentos da nossa fé.

4. Cite alguns perigos que rodam a Igreja na atualidade.
R. Os perigos que rondam a Igreja de Cristo atualmente são: a perda e esfriamento do amor, a perda do temor a Deus e da humildade.

5. Em, sua opinião o que acontece quando a igreja perde a simplicidade que há em Cristo?
R. Resposta pessoal.

Subsídio Teológico

“A Palavra ‘Igreja’ traduz o vocábulo grego ekklesia, que se deriva de ek, ‘para fora’, e de kaleo, ‘chamar’. Entretanto, na Bíblia, é usado para indicar qualquer assembleia. O uso bíblico mostra que se havia perdido o sentido de ‘chamados’. ‘Assembleia’ é a melhor tradução. Ekklesia era comumente usada no Oriente Próximo e Médio antigos para descrever uma assembleia de cidadãos — uma reunião oficial ou um ajuntamento precipitado, como a turba (At 19.32,39,41). Na versão grega da Septuaginta (Antigo Testamento), a palavra grega foi usada para indicar a assembleia ou congregação de Israel, particularmente quando o povo estava reunido perante o Senhor, nas ocasiões religiosas (por exemplo, Dt 9.10; 18.16; 23.1,3). Nos tempos do Novo Testamento, entretanto, os judeus preferiam o termo ‘Sinagoga’ para designar tanto o edifício quanto a congregação que nele se reunia. Por conseguinte, para distinguirem-se dos judeus e se declararem o verdadeiro povo de Deus, tanto Jesus quanto os primitivos cristãos usavam o termo ekklesia. A Igreja é, portanto, a família espiritual de Deus, uma comunidade criada pelo Espírito Santo, baseada na obra expiatória de Cristo” (MENZIES, W. W.; HORTON, S. M. Doutrinas Bíblicas: Os fundamentos da nossa fé. 5.ed., RJ: CPAD, 2005, p.133).

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Publicidade

Parceria Tecnogospel

Parceria

Pubicidade

Publicidade

Divulgue seu site visitas unicas

The Best Traffic Exchange

Mais divulgação de seu site

Geralinks

GeraLinks - Agregador de links

Mais ações nas suas Redes Sociais

Like Ub - Easyhits4u - Startxchange - Trafego Social Gratis.